domingo, 19 de agosto de 2012

Scans e transcrição Traduzida da revista FilmInk Magazine com On the Road (Austrália)

Oi meus amores, e temos aqui, vários Scans da revista FilmInk Magazine, que fala sobre o Filme de Kristen On the Road, confiram:


Scans:




Transcrição Traduzida :
Ainda assim, Salles estava sempre pensando no filme. Ele começou a seleção de elenco em 2005. Kristen Stewart, muito antes de ela se tornar uma estrela da lista A com a Saga Crepúsculo, foi procurada para representar Marylou, a mulher que acompanha Dean e Sal em suas viagens. Salles credita dois amigos notáveis – o compositor Gustavo Santaolalla, que trabalhou em Diários de Motocicleta, e Alejandro Gonzalez Inarritu, o diretor mexicano de 21 Gramas Babel e Amores Perros – para a inspiração da seleção de elenco. Ambos foram convidados por Sean Penn para ver o primeiro corte de seu filme de 2007, Na Natureza Selvagem, que contou Stewart em um papel atraente de coadjuvante. “Eles me chamaram e disseram: ‘Escute, para Marylou – pare de procurar! Há esta ótima jovem atriz e que nós nunca vimos antes. Ela é realmente única e muito talentosa. Ela é certa para o papel.’ Lembro-me de escrever o nome então eu não iria esquecer! Eu nunca tinha ouvido o nome de Kristen Stewart! “
Quando Salles a conheceu, ele ficou impressionado com o quão apaixonada a jovem atriz estava sobre o livro e representar Marylou, a versão ficcional da primeira esposa de Cassady, LuAnne Henderson. Ouvir Stewart hoje, como ela se senta na beira da piscina de Cannes, vestida com uma jaqueta laranja cortada em couro Prada, micro-saia preta, saltos e Blondie t-shirt branca, o mesmo entusiasmo para o livro de Kerouac pula para fora. “Eu tinha entre 14 e 15 anos, quando eu o li pela primeira vez”, lembra ela. “Foi a primeira vez que eu havia devorado um livro e realmente gostei. Isso me fez ir para a leitura. Ele me apresentou a um monte de escritores. Isso representa uma fase da vida que é tão cheio de emoção e paixão convicção. Nessa idade, você só realmente não colocar o dedo no porque você sente muito.”
A maneira que ela vê, lendo Na Estrada pela primeira vez “abriu muitas portas”, quando ela tinha quatorze anos. “Isso é quando você começa a ser capaz de escolher a sua família, e escolher quem são seus amigos, em vez de ser ambientalmente rodeado por quem você é, e cercado pelas circunstâncias.” Stewart comenta. “Você realmente começa a decidir quem é importante para você. Fui louca por esses personagens. Eu queria acompanhá-los. Eu, pessoalmente, muito mais me identifiquei com o Sal embora.”
Então, ela sente a necessidade de “queimar, queimar, queimar”, para pegar emprestada a citação do famoso Kerouac?“É muito fundamental”, Stewart concorda. “É por isso que o livro se sustentou. Nunca não vai ser atual. É como respirar. Nós sempre temos que respirar. Nós sempre temos que seguir em frente. – As pessoas têm limites diferentes, limites diferentes e prioridades diferentes e valores. Não é fácil olhar ao redor e ver que você não compartilha os mesmos com a maioria comum. E para seguir essa linha é algo que eu realmente, realmente aderi pra caralho. Eu realmente amo isso.” Ela faz uma pausa momentânea. “O livro nunca foi irrelevante. Mesmo antes de ter sido escrito, precisávamos dele.”
Stewart admite que ela estivesse nervosa por outra razão: satisfazer o exército de fãs do livro. “Temos uma responsabilidade com essas pessoas. Todos nós temos nosso próprio amor para o livro.” Mas ela presta homenagem a Salles para trazer o “perfeito” grupo juntos. “Ele cria um ambiente que é tão inegável, você não precisa pensar – você está apenas lá”, diz ela. “O sinal de um grande diretor é quando você sente como se tivesse encontrado alguma coisa juntos, e depois no final, você olha para trás e diz, ‘Oh meu Deus, ele me levou para aquele lugar! Eu não estava mesmo ciente disso.’ Walter literalmente me permitiu sentir como se eu fosse uma parte dela, mas ele me pegou e me colocou aqui. Você sabe o que eu quero dizer? Foi incrível.”
Garrett Hedlund no acampamento beatnik:
Para ajudar Riley e companhia chegar até a velocidade, no que está destinado a tornar-se um aspecto famoso da produção Na Estrada, Salles realizou um “acampamento beatnik” durante três semanas em julho de 2010, antes da produção começar “Nós fomos capazes de partilhar tudo o que havíamos aprendido uns com os outros”, diz Hedlund, que a esta altura tinha aproveitado “três anos de coleta de informações” para seu papel. O acampamento eram nós em um apartamento, sentados ali durante dez horas por dia, com o som do jazz – Dexter Gordon, Lester Young – e leitura de pernas cruzadas em um canto do apartamento, passando por coisas e vendo filmes antigos de Cassavetes.”
Inicialmente, o “acampamento” era Hedlund, Riley e Stewart, que mais tarde foram unidos por atores britânicos, Tom Sturridge (que interpreta Carlo Marx também conhecido como Howl poeta Allen Ginsberg) e Danny Morgan (Ed Dunkel também conhecido como Al Hinkle). “Era uma tão inegável companhia de tal forma que não podia esperar para ir trabalhar”, admite Hedlund.
Fonte 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

-Não fale mal de ninguém que já comentou
-Não ofenda as pessoas(atores, cantores, filmes) relacionadas à postagem