quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Jodie Foster faz carta de apoio à Kristen

Jodie Foster, que interpretou a mãe da Kristen Stewart no filme Quarto do Pânico em 2001, publicou uma carta/desabafo apoiando a Kristen, em relação a tudo isso que está acontecendo na vida de nossa diva, vejam só a dignidade da tia Judie:

Todos nós vimos as manchetes nas bancas. “Kristen Stewart pega.” Nós todos manuseamos as páginas brilhantes aqui e ali. “Kris e Rob um casal?” Todos nós vimos as fotos. “Eu gosto desse vestido. Eu odeio o cabelo. Casal fofo. Sapatos ruins.” Não há culpa nenhuma em reconhecer o interesse humano em lençóis públicos. Isso é tão velho quanto as montanhas. Eleve lindas jovens como deusas e então puxe-as para baixo da terra para olhar suas costuras. Veja, eles são como nós. Mas nós raramente consideramos as infâncias que nós inconscientemente destruímos nos processo.
Eu tenho sido uma atriz desde que eu tinha 3 anos, 46 anos até a presente data. Não tenho lembranças de uma infância longe do olhar do público. As pessoas olham para mim como uma história de sucesso. Frequentemente completos estranhos se aproximam de mim e perguntam, Como você ficou tão normal, tão bem ajustada, tão privada?, eu normalmente minto e digo, “Apenas entediante, eu acho.” A verdade é, como alguns mutantes radioativos curiosos, eu inventei minhas próprias ferramentas góticas de sobrevivência. Eu tenho modelado regras para controlar os olhares ferozes. Talvez eu tenha organizado minhas opções de carreira para conceder a mim (e aos que eu realmente amo) o máximo de dignidade pessoal. E sim, eu tenho neuroticamente me adaptado para o esporte gladiador da cultura da celebridde, a crueldade de uma vida vivida como um alvo móvel. Na minha época, por meio da disciplina e força de vontade, você poderia conseguir alcançar uma carreira de estrela e ter a autenticidade de uma vida privada. Claro, você teria de perder sua espontaneidade na elaborada arquitetura.


Você teria que aprender a submergir sob o ar poluído e respirar através de um canudo. Mas pelo menos você poderia se levantar e dizer, eu não vou participar voluntariamente na minha própria exploração. Não mais. Se eu fosse um jovem ator ou atriz começando minha carreira hoje na nova era das mídias sociais e sua temporada sancionada de caça, eu iria sobreviver? Eu me afogaria em drogas, sexo e festas? Eu estaria perdida?


Eu já disse isso antes e vou dizer novamente: se eu fosse um ator jovem hoje, eu iria desistir antes de começar. Se eu tivesse que crescer nessa cultura de mídia, eu não acho que eu poderia sobreviver emocionalmente. Eu esperaria apenas que alguém me amasse, realmente me amasse, colocasse seus braços em volta de mim e me guiasse para a segurança. Sarah Tobias nunca teria dançado antes de seus estupradores em The Accused. Clarice nunca teria compartilhado o terrível grito dos cordeiros com Dr. Lecter. Outra atriz poderia certamente ter tomado meu lugar, aberto sua alma para criar esses personagens, rendido suas vulnerabilidades. Mas teria ela sobrevivido aos paparazzi perscrutando suas janelas, assédios online, as humilhações públicas, sem uma overdose num quarto de hotel ou picando seu rosto desnecessáriamente até que ela se torne irreconhecível até para si mesma?


Atuar é tudo sobre transmitir vulnerabilidade, permitindo que a verdade dentro de si brilhe através, independentemente disso parecer insensato ou vergonhoso. Abrir e se dar completamente. É um ato de liberdade, amor e conexão. Atores demoram para serem conhecidos da forma mais profunda por suas sutilezas de caráter, por suas imperfeições, por suas complexidades, por seus instintos, por sua vontade de cair. Quanto mais destemido você for, mais verdadeira sua performance. Como você pode fazer isso se você sabe que você será pessoalmente julgado, espetado, traído? Se você for esperto, você aprende a dissociar voluntariamente, compartimentar. Colocar suas emoções em uma caixa em segurança definitivamente vem a calhar quando o público atirar pedras. O objetivo é sobreviver, intacto ou não, a qualquer custo emocional. Atores que se tornam celebridades supostamente deveriam ser gratos pelo interesse do público. Afinal, eles estão sendo pagos. Só para deixar o relato claro, um salário para um determinado desempenho na tela não inclui o direito de invadir a privacidade de ninguém, destuir o senso de alguém de si mesmo.


Em 2001 eu passei 5 meses com Kristen Stewart no set de Quarto do Pânico, na maior parte escondidas em um espaço do tamanho de um closet de Manhattan. Nós conversamos e rimos por horas, compartilhando mistérios espotâneos e descarregando nosso tédio. Aprendi a amar aquela garota. Ela completou 11 anos durante nossas filmagens e no aniversário dela eu organizei uma serenata para ela em um bar mexicano enquanto ela soprou suas velas. Ela relutantemente dançou ao redor de um sombreiro comigo, mas logo correu para se agarrar a um jogo de basquete no departamento eletrônico. Sua mãe e eu assistimos ela pular ao redor depois da bola, vaiando com cada cesta da equipe. “Ela não quer ser atriz quando crescer, quer?” Eu perguntei. Sua mãe suspirou. “Sim… infelizmente.” Nós duas sorrimos e encolhemos os ombros com uma ambivalência que nasceu da experiência. “Você não pode convencê-la a desistir?” Eu tentei. “Oh, eu tentei. Ela ama isso. Ela apenas ama isso.” Mais suspiros. Assistimos ela correndo ao redor da quadra por um tempo, ambas em silêncio, cada uma presa em nossos próprios pensamentos. Eu estava grávida na época e eu me encontrei sonhando com a criança que eu teria em breve. Ela seria como Kristen? Todo aquele lindo talento e destemor… Ela iria pular e emergir e me deixar tão orgulhosa?


Essa é imagem que eu tenho de um momento perfeito. Ela vem até mim como um filme caseiro no formato 8mm vermelhos e azuis super saturados, sem som, apenas um loop arranhado… Há uma pequena garota rodopiando na arrebentação. Ela está cantando no topo de seus pulmões, pulando e girando na água fria, toda salgada, arenosa, cheia de alegria e confiança. Ela está inconsciente da câmera, é claro, no seu próprio mundo. A câmera treme um pouco. Talvez a mãe dela esteja rindo atrás da lente. Poderia uma criança ser mais amada do que nesse momento? Ela é perfeita. Ela é absolutamente perfeita.


Corta para: Hoje… A bela jovem avança sozinha na calçada, de cabeça baixa, mãos desenhadas em punhos. Ela está andando rápido, correndo em torno dos enormes homens com câmeras pretas empurrando em sua boca e seu peito. “Kristen, como você se sente?” “Sorria Kris!” “Hey, hey, você pegou ela?” “Eu peguei ela. Eu peguei ela!” A jovem não chora. Não. Ela não olha para cima. Ela aprendeu. Ela mantém a cabeça baixa, seu semblante baixo, punhos em seus bolsos. Não fale. Não olhe. Não chore.


Minha mãe tinha um ditado que ela compartilhava depois de cada pequena injustiça, cada mágoa, cada momento de sofrimento. “Isso também passará.” Deus, eu odiava essa frase. Ela sempre parecia tão banal e fora de alcance, como se ela estivesse me dizendo que minha dor era irrelevante. Agora isso só parece estranho, mas é estranhamente verdade… Eventualmente tudo isso passa. Os horrores públicos de hoje eventualmente passam. E, sim, você é transformado pelas terríveis consequências do juízo que eles deixaram para trás. Você confia menos. Você calcula seus passos. Você sobrevive. Esperemos que no processo você não perca sua capacidade de jogar os braços para o ar novamente e gire em um abandono selvagem. Esse é o último “dane-se” e – finalmente – o instrumento de sobrevivência mais bonito de todos. Não deixem tirar isso de você.
Vendo tudo isso, Jules Stewart, mãe da Kristen, comentou a carta em seu twitter:


Bravo para Jody Foster. Uma mulher em que podemos nos espelhar.

Fonte

Ai gente que digna a  Jody, sério, muito lindo tudo o que ela disse, um tapa na cara da sociedade e dos haters. Se todos pensassem como a Jody o mundo seria outro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

-Não fale mal de ninguém que já comentou
-Não ofenda as pessoas(atores, cantores, filmes) relacionadas à postagem