domingo, 29 de abril de 2012

Entrevista da Kristen para Elle UK traduzida

Depois de babarmos com os lindos scans da Kristen Stewart na edição de junho da revista Elle britânica, chegou a hora de lermos a matéria completa com a entrevista inédita de Kristen para a edição:

Em março revelamos Kristen Stewart como nossa estrela da capa de junho: o Twitter enlouqueceu. No dia seguinte, no nosso ensaio com ela, a encontramos e a conhecemos. Agora é a sua vez. O que impulsiona Kristen?
Kristen não é mal humorada. Não durante nossa entrevista. Ela é retraída, relutante em falar ou usar uma expressão de dor. Não havia nervos que parecessem estar afetando-a, fazendo-a parecer no limite ou tensa. Ela não está se escondendo atrás de seus cabelos, nem olhando ansiosamente para a saída. Em suma, Kristen Stewart não é nada a como fui levado a acreditar.



Essa Kristen é toda surpreendente, assim, surpreendentemente, é uma mulher de 22 anos em que cada corte de cabelo, preferência musical e marca favorita de sapatos são divulgados e dissecados por milhões [de pessoas]. Se ela menciona um disco que está ouvindo, no iTunes você verá um aumento nos downloads.
Quando nós twittamos do photoshoot em Los Angeles, a hashtag #KristenELLE se tornou a número um nos Trending Topics mundiais. Os detalhes íntimos do que ela gosta, não gosta, detesta e os movimentos dela, são considerados patrimônio público e compartilhado em conformidade.


Tudo o que é dito quando se trata de Kristen, você poderia ser perdoado por achar que nós sabemos tudo o que há para saber. Mas ela está se estendendo sobre nós? Algumas coisas são como você esperaria. Hoje ela está vestida exatamente como todas as outras imagens de paparazzi que você já viu: capuz, jeans e tênis amarelos (os que ela usou como Alison ou Mallory em Welcome to the Rileys). E fisicamente ela é imediatamente reconhecível pela sua persona nas telas: não é pele e osso, mas é tão pequena que a cadeira parece ter diminuido ela por 5 ou 6 pés; longo, o cabelo é digno de anúncio de shampoo, divido casualmente para o lado; ela é muito pálida e sardenta; todo o conjunto de seus olhos tão claros e avaliativos, eu tenho que me segurar à ideia de que eu sou o único para ser inspecionado por eles.
Durante o dia, ela fica para trás diante de todo alvoroço dos fotógrafos e assistentes, mas ela está à vontade, atravessando o trilho de roupas que a ELLE trouxe, entusiasmada sobre um top cortado e uma saia da Miu Miu para nossa capa de assinantes.


Ela é descrita como ferozmente reservada com uma regularidade entediante, principalmente porque ela não quer – tudo bem, não vai – falar sobre Robert Pattinson, que é provavelmente seu namorado, mas quem tem certeza – por que – lembram? Ela não gosta de falar sobre isso. Ela tem sido explícita sobre suas razões para não discutir isso, dizendo “Eu sou egoísta. Eu sou tipo ‘isso é meu!’”, mas ela também diz “Qual é, gente, parece tão óbvio”. E, entre as quase demonstrações públicas de afeto em premieres e em fotos granuladas de celular onde eles estão por aí juntos, aparecendo desalinhados, bonitos e jovens. É tipo isso. Mas, ainda, ela não vai falar sobre isso, então vamos mudar nosso ângulo para o que se fala com menos frequência: O que é que a faz feliz? Qual é o seu sonho de consumo? O que ela realmente ama?


A resposta explica perfeitamente porque considera que os incovinientes dessa vida moderna em Hollywood vale a pena. Porque ela realmente ama seu trabalho. É uma coisa física, disse com paixão, sem hesitar em nenhum momento: “Eu amo pra c****** tudo sobre [atuar]. Eu amo filmes. Eu amo o que eles fazem. Estou tão alimentada por eles como nada mais em minha vida” (Pattinson, vale a pena notar, parece gentil e admirado com a carreira profissional de Kristen. “Ela é muito focada em ser atriz”, disse ele. “Quero dizer, é o que ela é… Ela é uma atriz, enquanto eu simplesmente não sei.”).
Kristen fez sua estreia em Hollywood em 2002 em O Quarto do Pânico. Ter trabalhado com Jodie Foster em um filme continua sendo uma de suas experiências favoritas. “Fui muito sortuda, Jodie é incrivelmente profissional, mas não muito profissional, porque ela é tão legal. Ela é outro membro da equipe. Adoro que ela tenha me influenciado totalmente”. Não é difícil imaginar que é exatamente o tipo de carreira que Kristen quer ter; nem é difícil imaginar que ela alcançando-a, também.


Mas é sua ultra-normal formação que ela alega realmente ter motivado ela a escolher essa carreira. “Eu sou realmente entediada; coisa que eu gostaria de ler sobre não aconteceram para mim. Mas essa é a razão de você ler esses livros e assistir esses filmes. Esse trabalho é louco, um passo a frente, diferente de ser capaz de assistir a um filme. É como se eu estivesse realmente andando nos sapatos de alguém, eu começo a viver lá. E eu quero fazer isso porque eu tenho certeza que eu tenho algo para aprender a cada vez. Mesmo se estiver aprendendo como que raios andar no cavalo em Branca de Neve”.


Branca de Neve e o Caçador é o mais recente lançamento de Kristen. E apesar dos gigantes Crepúsculo, esse blockbuster é registrado como uma escolha incomum: fora do romance de vampiros, personagens motivados em filmes independentes tem sido mais o estilo dela. Após o primeiro filme de Crepúsculo – que ela assinou quando tinha um baixo orçamento, com expectativas baixas – ela assumiu o papel de uma adolescente fugitiva que virou prostituta em Welcome to the Rileys. Outros créditos incluem participações como uma adolescente turbulante em Adventureland, uma performance aclamada como a jovem Joan Jett em The Runaways, e uma Marylou que ainda será vista no clássico romance de Jack Kerouac, On the Road (este é um que você pode notar que ela gostou mais). Apenas se tranformar e parecer linda não vai assegurar o trabalho de Kristen, então o que há sobre Branca de Neve e o Caçador que a fez se transformar em uma princesa? “É um filme de guerra e um filme de crise de identidade”, ela explica. “Basicamente, ela vai para a cela quando tem 7 anos e só sai de lá quando tem 18. Ela está tão atrofiada que, essencialmente, ela continua sendo uma criança, mesmo já sendo uma mulher. Quando ela sai, ela tem que salvar as pessoas, mas ela não tem experiência alguma com nada do que eles têm. Ela é muito isolada, ela tem todos esses sentimentos que ela não entende ainda e eu posso me identificar com isso”.


Confiabilidade talvez seja o segredo para o que Kristen faz tão bem. Fazendo complicadas e contraditórias personagens que parecem compreensíveis às suas habilidades. Mesma a clássica adolescente apaixonada Bella apresenta um dilema – ela está preparada para morrer por um garoto, um assassino, que ela acabou de conhecer? – mas Kristen faz esse dilema parecer real. A profissional do sexo de Welcome to the Rileys é mais difícil de vender, mas a atriz sentiu prazer em se desviar de seu público de Crepúsculo com essa escolha. “Eu acho que isso é bom, eu fiz um filme que um monte de meninas não iria se expor. Eu sabia que eles estavam ‘m****, ela fará uma prostituta f****!’. Mas agora eu acho que todo mundo olha pra trás e e diz ‘É legal ela ter feito isso’”.


Tem a responsabilidade de ser um modelo a seguir pesando sobre seus ombros? “Eu não aplico isso às escolhas que faço”, ela disse. “Eu sinto que um modelo não é necessariamente alguém que você quer imitar, apenas alguém que você admira. Eu olho esses personagens que faço às vezes e penso, ‘Droga, eu gostaria de ser assim’”. Como Joan Jett? “Exato, faz sentido para mim, porque outras pessoas não olha apenas a pessoa, elas olham para mim. Qualquer um que de repente escolhe olhar para mim é como, ‘Mas literalmente, estou olhando os personagens e me admirando por minha escolha’”.


Mas não é apenas sobre seus papéis. Ela mesmo tem sido uma influência muito positiva para muitos. A forma como ela não se sente confortável em usar os uniformes típicos de entrelas de Hollywood, tanto dentro como fora do tapete vermelho, é uma mensagem que vale a pena. Um vestido de Yigal Azrouel com Converse All-Stars foi sua roupa escolhida para uma das primeiras premieres e, embora dois anos mais tarde o vestido da exibição de Amanhecer em Londres tenha sido um Roberto Cavalli, ela não fez nenhuma tentativa de esconder o momento em que trocou seus saltos por tênis. Acho que ela pode ganhar o crédito em mostrar a uma geração de mulheres jovens que está OK ser diferente.
Ela assente com a cabeça, considerando a ideia. “É estranho, no colégio era apontanda por não usar uma marca determinada de jeans”, disse. “Quase me matou. Era tão envergonhada e insegura, mas sabia que nunca poderia colocá-los, ficaria ridículo”.
O início precoce de Kristen na atuação significava que uma educação padrão era impossível. Trago um comentário que ela fez sobre os professores que a reprovaram. Ela rola os olhos. “Quando digo que literalmente me reprovaram, quero dizer que eles literalmente me reprovaram. Como em, eu tenho F’s (F é a menor nota que alguém pode ter nas escolas dos Estados Unidos)!"


Isso a incomoda, sendo deturpada? “Você fica calejado”, ela encolhe os ombros. Isso poderia explicar a impressão que as pessoas têm de que ela está sendo ligeiramente cautelosa e fria. No entanto, ela admitiu que há algo para a imagem. “Eu não digo que não sou magnética para não soar auto-depreciativo”, disse. “Eu só não sou. Eu sou muito boa em…”. Repelir pessoas? “É. Apesar de realmente amar pessoas. Gostaria de conhecer mais pessoas. Não conheço ninguém”.
Bem, não ninguém – está claro que seus amigos são provinientes de seu trabalho, o fator unificador sendo que todos eles são pessoas que a inspiram de alguma maneira; o talento transformando-a. Rupert Sanders, diretor de Branca de Neve e o Caçador, por exemplo, ganhou sua adulação, porque, “Considerando o quão jovem e iniciante, ele é incrível, ele tem colhões”. E então, há o novo amigo fashion dela, da Balenciaga, Nicholas Ghesquire (que parece ter habilidade de coletar mulheres legais a sua volta; ele conta com Charlotte Gainsbourg, Irina Lazareanu, Jennifer Connelly e Francoise Hardy, como musas ao lado de Kristen). Ela se esforça para explicar que há mais do que apenas uma relação de rosto-pago-para-a-frangrância. “Eu não tinha que ir a Paris [para o desfile da Balenciaga em março]. Eu realmente amo Nicholas”, ela disse. “Nós somos camaradas agora, eu amo estar ao redor dele”.

Kristen já sentou na primeira fila não só na Balenciaga, mas também na Burberry e Mullberry, embora moda seja um mundo que ela escolhe cuidadosamente quando e como entrar. “Isso me deixa animada por causa do pouco que eu tive que fazer com isso”, ela disse, entusiasmada com o incrível arquivo da Balenciaga mostrado a ela na visita anterior. Seu estilo natural “não é experimental”, ela admite. “Eu apenas visto roupas bastante funcionais. Quando estou em Londres eu me sinto tão mal vestida como um jovem californiana. Mesmo se eu tentar parecer bem quando eu saio para jantar, eu apenas não tenho essa coisa. Eu sempre vou usar tênis sem meia e parecer tipo “B****, está congelando, o que eu estou fazendo?”.

Isso não quer dizer que ela não seja forçada a usar roupas no tapete vermelho. “Eu conheço um monte de pessoas que são capazes de levar isso para suas vidas, pessoas que são calmas e chiques o tempo inteiro. Para mim isso realmente é como há um momento e um lugar – eu amo fazer isso, mas essas roupas se encaixam em determinada parte da minha vida”. Partes da vida dela como os prêmios de estilo da ELLE em 2012, onde ela usava um vestido Pucci com uma jaqueta da LA Label 1020 de Nicole. Ela trabalha com uma estilista para turnês promocionais, mas diz que é “incrivelmente exigente. Eu sei que assim que eu colocar alguma coisa, ‘OK, eu vou vestir isso’”.
Em algum momento veremos Kristen Stewart como diretora? “Eu quero dirigir filmes. Às vezes eu penso: ‘Deus, eu quero fazer isso, eu quero fazer isso a seguir’. Mas então eu trabalho com alguém que é ótimo no que faz e eu penso ‘Eu não estou lá ainda’”. Pergunto se ela quer fugir por um tempo, mas apesar de reconhecer que uma pausa seria uma boa ideia, ela a rejeita.

Há algo além da emoção de um desafio de trabalho novo que a impulsione? Quando ela está realmente feliz? Eu pergunto. “No meu carro com um amigo certo – eu gosto de dirigir, eu gosto de estar em LA, me faz sentir como ‘Ahhhhhh’. Então, eu diria que soa a canção perfeita, as janelas abertas, isso teria grandes sensações. Não só estar animado por estarmos andando, é como ‘Aqui estamos nós’”.
Última pergunta, prometo que como a noite será fria: Como você se descreveria? “Eu não sei”, ela encolhe os ombros. “Eu ia dizer que eu realmente gosto do que faço. Eu realmente amo o que faço. Acho que a parte mais interessante de mim, literalmente, é o que eu faço”.
Fonte

Ai que matéria linda, que entrevista phodástica, é tão bom ler esse tipo de matérias, onde elogiam a Kristen por todos os seus trabalhos e não só por Crepúsculo, é o reconhecimento da atriz que ela é, orgulho define.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

-Não fale mal de ninguém que já comentou
-Não ofenda as pessoas(atores, cantores, filmes) relacionadas à postagem